quarta-feira, 15 de julho de 2009

Higiene Ocupacional


O trabalhador exposto em um ambiente insalubre pode vir a desenvolver uma doença, que o incapacitará para o trabalho. Se isso acontecer, ele será afastado do trabalho, e, após o tratamento, poderá estar novamente em condições de trabalhar, retornando ao mesmo local onde contraiu a doença. Provavelmente voltará a ficar doente, desta vez, porém, mais rapidamente até que fique totalmente incapacitado para o trabalho.


Agindo assim, tratamos a consequência, que é a doença, e não a causa básica fundamental, que é a exposição em ambiente contaminado.


Teremos agora que tratar também o ambiente e para isso devemos fazer um reconhecimento para saber quais os agentes prejudiciais presentes nesse ambiente de trabalho, fazer uma avaliação para se saber se existe risco à saúde e adotar uma medida de controle.


RECONHECIMENTO + AVALIAÇÃO + CONTROLE = HIGIENE OCUPACIONAL


Definição de Higiene Ocupacional

Ciência e arte dedicada ao reconhecimento, avaliação e controle daqueles fatores ou tensões ambientais, que surgem no ou do trabalho, e que podem causar doenças, prejuízos à saúde ou ao bem estar, ou desconforto significativos entre trabalhadores ou entre os cidadãos da comunidade.


AGENTES AMBIENTAIS: FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS


Agentes Físicos

Ruído

Vibrações

Temperaturas extremas

Pressões anormais

Radiações ionizantes

Radiações não ionizantes

Umidade


Agentes Químicos

Gases e vapores

Aerodispersóides: poeiras, fumos, névoas e neblinas


Agentes Biológicos

Vírus

Bactérias

Fungos, algas

Parasitas

Bacilos


Agente ergonômicos

Esforço físico intenso

Levantamento e transporte manual de peso

Exigência de postura inadequada

Longas jornadas de trabalho

Monotonia e repetitividade


Agente mecânico/acidente

Ferramentas inadequadas

Probabilidade de explosão ou incêndio

Máquinas e equipamentos sem proteção

Arranjo físico inadequado